Como Consultar

A forma de perguntar tem um papel decisivo no êxito ou no fracasso da consulta, ou seja, na compreensão ou não da resposta obtida. Conforme reza na tradição chinesa, o oráculo nunca falha, o que torna as respostas confusas ou turvas é o nosso entendimento.
Como formular a pergunta de maneira correta?
Deve ser feita de modo inequívoco, sintético e claro. Não se deve ter mais de um significado, se houver, deve dividir as pergunta em partes necessárias para atingir a forma objetiva e de resposta única. Para os chineses o que se conhece deve ser expresso em poucas palavras

Ritual
Deve-se considerar que o processo de consulta nada tem de mágico. Portanto o ritual tradicionalmente oracular chinês, tinha ou tem até hoje seu tradicionalismo e sua função psicológica.

Hábitos ligados à prática e ao manuseio do I Ching:
-Corte de seda virgem para envolver o livro;
-Uma caixa de madeira para acondicionar as varetas que jamais tivesse sido utilizada;
-O livro nunca era guardado a uma altura superior ao dono. Era uma maneira de se evitar a idolatria;
-O consulente postava-se sempre para o Sul, a região do Sol;
-O incenso era usado como elemento purificador;
-Antes da consulta era comum dedicar um tempo a meditação.
Dentro de nosso contexto cultural, muito de nós podemos considerar atitudes simplesmente exóticas. Se assim for, é melhor ater-se ao que possuir real significado.

Existem duas maneiras de consultar o I Ching:
1-Através da ajuda de varetas de caule de milefólio,onde são usadas 50 varetas num complexo ritual para se chegar aos hexagramas. Esse método é o mais demorado, devendo tomar cerca de meia hora para se obter os hexagramas, porém é o que permite melhor concentração do consulente.
2-Através de 3 moedas de bronze (também pode ser feitas com moedas comuns), este método é condenado por alguns estudiosos, por ser rápido e não permitir uma concentração mais profunda sobre a pergunta feita ao oráculo.
De qualquer maneira, por uma questão de facilidade e praticidade, vamos usar o método das 3 moedas.

 

Como montar o hexagrama:

 

Para a cara da moeda, é atribuído o valor 3 (impar, Yang)

Para a coroa da moeda, é atribuído o valor 2 (par, Yin)

Os hexagramas são lidos de baixo para cima, ou seja, a primeira linha tirada é a inferior e a última linha tirada é a sexta linha, que esta acima das outras cinco. Depois de jogar seis vezes as moedas, poderemos obter dois hexagramas, o principal e o complementar.Para obter um hexagrama complementar é necessário que no hexagrama principal tenhas linhas mutáveis que são as linhas 6 (Pequeno Yin) e 9 (Grande Yang).  Dessa forma lemos o "Julgamento" e as linhas mutáveis, desprezando as demais linhas do hexagrama, visto que elas são suportes para a sua montagem.
O hexagrama complementar é um complemento da orientação que o oráculo deu no hexagrama principal e portanto só deve ser considerado o seu "Julgamento".
No caso de se obter um hexagrama  com os números 7 e 8, que são linhas em repouso,apenas lemos o "Julgamento".

Veja exemplo abaixo:


Jogue as moedas e some seus valores (3 para cara e 2 para coroa)
Repita a operação mais cinco vezes, desenhando as demais linhas ACIMA da primeira (veja quadro acima).
Depois de montado o hexagrama veja a consulta no item
CONSULTAR.
Localize trigrama INFERIOR na coluna a esquerda do quadro do item CONSULTAR, cruze com o trigrama SUPERIOR e assim obtenha o número do hexagrama correspondente a sua consulta. Vá até a respectiva página para ler o hexagrama.

Para montar o hexagrama, jogue as moedas e anote a linha conforme o resultado abaixo:

VEJA ABAIXO UM EXEMPLO  DE CONSULTA QUE GERA UM HEXAGRAMA COMPLEMENTAR

 Vamos supor que foram jogadas as moedas, seis vezes e os resultados foram 6-8-9-7-7-6, os hexagramas seriam:

 Neste exemplo, devem ser lidos O JULGAMENTO e as linhas mutantes, ou seja as linha 1, 3 e 6 do hexagrama 31 (A INFLUÊNCIA - CORTEJAR) e para obter mais esclarecimentos ler o JULGAMENTO do hexagrama 25 (INOCÊNCIA - O INESPERADO).